Esporte

Justiça aceita pedido, suspende contrato com a 777 e devolve controle do futebol ao Vasco

O Vasco retomou o controle do departamento.

Imagem de destaque da notícia
O Vasco retomou o controle do departamento. Em decisão de caráter liminar, assinada pelo juiz Paulo Assed Estefan, a 4ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro aceitou na noite desta quarta-feira (15), o pedido do Cruzmaltino e suspendeu o contrato da 777 Partners, dona da SAF do clube. A informação foi divulgada pelo site ge.globo.

"DEFIRO a cautelar requerida e SUSPENDO os efeitos do CONTRATO DE INVESTIMENTOS e do ACORDO DE ACIONISTAS, que concedem o atual controle da VASCO DA GAMA SOCIEDADE ANÔNIMA DO FUTEBOL à. Com isso, estão suspensos, também, os direitos societários (políticos e patrimoniais) da 777 CARIOCA LLC e devolvido o controle da companhia ao CLUB DE REGATAS VASCO DA GAMA, afastando-se os conselheiros indicados pela 777 CARIOCA LLC do Conselho de Administração da SAF", diz um trecho da decisão.

Com a decisão, o comando do futebol do Vasco passa a ser dos dirigentes da associação, cujo presidente é o ex-jogador Pedrinho, ídolo da torcida vascaína. O mandatário junto com seu vice-presidente Paulo César Salomão são os dois únicos que ficaram no Conselho de Administração da SAF do clube, já que os outros cinco integrantes, Josh Wander, Andres Blazquez, Donald Dransfield, Nicolas Maya e Steven Pasko, escolhidos pela 777 fora retirados com a liminar.

O pedido do Vasco, que corre em segredo de Justiça, foi baseado no artigo 477 do Código Civil. As recentes notícias relacionadas à situação financeira da 777, que está sendo processada nos Estados Unidos, foram levadas em consideração. Além de suspender o contrato, o juiz também nomeou uma empresa independente para elaborar laudo econômico-financeiro e investigar as denúncias do clube carioca das operações contábeis do grupo norte-americano.

A relação da associação do Vasco com a 777 Partners piorou consideravelmente desde a posse de Pedrinho na presidência. Através do departamento jurídico, ele fez duas notificações extrajudiciais contra a empresa norte-americana, sendo que numa delas pedia garantias do aporte de setembro, o maior previsto no contrato, de cerca de R$ 300 milhões, com correção monetária. Na outra, citava possível descumprimento da Lei das SAFs e do acordo de acionistas, por causa de possível troca de comando da empresa, devido a uma ação de um fundo inglês contra o grupo dos Estados Unidos.

Apesar da crise que enfrenta no exterior, a 777 está em dia com suas obrigações com o Vasco no momento. Em outubro do ano passado houve atraso de alguns dias no pagamento de R$ 110 milhões, enquanto o maior aporte está previsto para setembro deste ano. Em 2023, o balanço divulgado no último dia 30 registrou prejuízo de R$ 123 milhões.

Comentários

Leia estas Notícias

Acesse sua conta
ou cadastre-se grátis