Esporte

Vôlei: Técnico da seleção feminina admite indecisão sobre qual líbero levará para Paris 2024

O técnico José Roberto Guimarães está usando a disputa da Liga das Nações Feminina de Vôlei para definir o elenco da seleção brasileira que vai brigar por medalha nos Jogos Olímpicos de Paris-2024.

Imagem de destaque da notícia
O técnico José Roberto Guimarães está usando a disputa da Liga das Nações Feminina de Vôlei para definir o elenco da seleção brasileira que vai brigar por medalha nos Jogos Olímpicos de Paris-2024. Faltando pouco mais de dois meses para o principal evento esportivo do ano, o treinador admitiu indecisão sobre qual líbero levará para a capital francesa: Nyeme e Natinha.

"Nyeme e Natinha são iguais em vários aspectos. Eu gostaria de levar as duas. É um pecado, porque você treina todos os anos do ciclo com 14 jogadoras e, quando chegam as Olimpíadas, é obrigado a levar 12. Você fica em uma saia justa muito grande. Não podem judiar da gente assim", afirmou em entrevista ao site ge.globo.

A lista de convocadas para as Olimpíadas tem apenas 12 atletas. Com um elenco enxuto, Zé Roberto precisa definir quantas jogadoras serão chamadas para cada posição, considerando o risco de lesões antes e durante os Jogos em Paris. Para levar Natinha e Nyeme, o treinador precisará abrir mão de uma ponteira.

"As líberos têm revezado muito em todas as atividades. Treinam a parte técnica, de passe, defesa e levantamento, e depois entram na tática. Elas ficam trocando o tempo inteiro, passando ao lado de jogadoras diferentes. Não tem ninguém escolhida, de verdade. Com as partidas da Liga das Nações, vamos ver como o time se encaixa com cada uma. Tem todo um processo para perceber quem está melhor e pode ajudar mais a equipe. Sempre peso muito isso. Não é só o que eu acho, é o que o time sente", falou.

Natinha | Foto: Divulgação / FIVB

Apesar de disputarem apenas uma vaga na seleção brasileira em Paris, Nyeme e Natinha tentam impressionar Zé Roberto, mas mantendo a cordialidade dentro do grupo. As duas estão acostumadas a se enfrentarem em quadra. Na última edição da Superliga feminina, o Minas de Nyeme conquistou o título ao vencer o Praia Clube, de Natinha.

"Lutamos pelo mesmo objetivo: ajudar a seleção. Não há rivalidade. Quem estiver melhor tem que jogar, porque todo mundo treina e quer ir lá para dentro da quadra", disse Nyeme. "É um sentimento de ter que lutar todos os dias (pela convocação para as Olimpíadas). Acho que vai ser difícil para o técnico escolher, e isso já é muito gratificante, porque quer dizer que nós duas estamos fazendo um trabalho bom, suando todo dia, dando nosso melhor. Acredito que quem ele escolher vai representar muito bem o Brasil em Paris", comentou Natinha.

Após estrear na Liga das Nações com vitória sobre o Canadá, o Brasil encara a Coreia do Sul, nesta quinta-feira (16), no Maracanãzinho.

Comentários

Leia estas Notícias

Acesse sua conta
ou cadastre-se grátis