Esporte

Fábio Mota dá detalhes da demissão de Léo Condé: "Assumo a responsabilidade"

Os últimos dias foram agitados no Barradão.

Imagem de destaque da notícia
Os últimos dias foram agitados no Barradão. Logo após a demissão do técnico Léo Condé, que ficou um ano e três meses no clube e conquistou os títulos da Série B de 2023 e o Campeonato Baiano de 2024, o Vitória agiu rápido e anunciou Thiago Carpini como substituto. Após a apresentação do novo treinador rubro-negro, nesta quinta-feira (16), o presidente do Leão, Fábio Mota, deu detalhes de como aconteceu o desligamento de Condé e a escolha por Carpini.

O mandatário rubro-negro destacou que Léo Condé "vai ficar na história do clube" e que após a derrota por 2 a 1 para o Vasco, no último domingo (12), a quarta do Leão em cinco partidas da Série A, conversou com o ex-técnico do Leão. A partir deste momento, Fábio Mota declarou que "assumiu a responsabilidade" e fez a troca "por entender que era hora de mudar e começar um novo ciclo".

"Se eu fosse ouvir o torcedor, eu tinha demitido Léo Condé na Série B, não chegava nem até aqui. Essa é a grande verdade. É um ciclo. Léo Condé é um amigo, que vai ficar na história do clube. Conseguiu dois títulos, um deles o mais importante da história do clube de 125 anos, que é o Campeonato Brasileiro (da Série B), mas nós entendemos que estava na hora de começar um novo ciclo. Aí você me pergunta 'Léo Condé era o culpado?'. Não tem um culpado. Às vezes a rotina, um ano e três meses, tudo isso vai acarretando. Quando terminou o jogo contra o Vasco, ainda no Aeroporto, eu conversei com ele (Condé). Ele sempre foi muito franco comigo e disse 'Fábio, não tenha pena, nem raiva de mim. Faça o que você acha que deve fazer'. Depois daquilo, eu comecei a raciocinar. Conversei com meus pares, diretoria, atletas e resolvemos fazer a mudança. Eu assumo a responsabilidade, não fujo de responsabilidade", disse Fábio Mota.

O presidente do Vitória ainda comentou que "ninguém é eterno no futebol" e que Carpini tem um perfil de treinador diferente de Condé.

"Procuramos um perfil diferente de treinador. Perfil de Série B é um, de Série A é outro. Seguimos na maior amizade com Léo Condé. As portas estarão sempre abertas, mas a gente achou que era hora de mudar e começar um novo ciclo. Da mesma forma quando mudamos o ciclo com Burse e que Léo Condé transformou em um ciclo melhor ainda, que Thiago Carpini consiga fazer a mesma coisa. Ninguém é eterno no futebol. A gente tem que ter amor pela instituição. As pessoas são passageiras. Vitória, torcida e direção tem muito a agradecer a Condé, porém temos um ciclo novo. Vamos nos concentrar no ciclo com Thiago Carpini", concluiu o mandatário rubro-negro.

Com o adiamento das próximas duas rodadas do Campeonato Brasileiro, a 7ª e a 8ª, o Vitória volta a campo na próxima quarta-feira (22), às 19h, no Barradão, pelo jogo de volta da 3ª fase da Copa do Brasil, contra o Botafogo. No jogo de ida, o Rubro-Negro perdeu por 1 a 0. No Campeonato Brasileiro, o Leão tem apenas um ponto após cinco partidas e ocupa a 18ª colocação, dentro da zona de rebaixamento.

Comentários

Leia estas Notícias

Acesse sua conta
ou cadastre-se grátis