Cidades

Professores municipais de Lauro de Freitas protestam para início das aulas no município

Os professores da rede municipal de ensino de Lauro de Freitas, na região metropolitana de Salvador, ocuparam, nesta quinta-feira (29), o Centro Administrativo da cidade (Calf), reivindicando a convocação dos profissionais aprovados último concurso público para professor.

Imagem de destaque da notícia
Os professores da rede municipal de ensino de Lauro de Freitas, na região metropolitana de Salvador, ocuparam, nesta quinta-feira (29), o Centro Administrativo da cidade (Calf), reivindicando a convocação dos profissionais aprovados último concurso público para professor. Por falta de profissionais, os alunos da educação municipal estão sem aulas em alguns componentes curriculares.

Segundo os professores, as aulas deveriam ter iniciado desde 19 de fevereiro, no entanto, devido aos "buracos" na programação escolar, os estudantes estão atrasados em diversos componentes letivos. "Os alunos têm uma aula e voltam para casa. Isso é lesar o direito a educação", ressaltou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Municipal de Ensino de Lauro de Freitas (Asprolf), Valdir Silva.

"Enquanto aqueles que tem condições, que estão em seus colégios particulares e começaram o ano letivo em 30 de janeiro, estão bem adiantados, os nossos alunos da rede municipal de ensino, que chegam a aproximadamente 28 mil, estão sendo prejudicados ao seu direito a educação", afirmou o docente.

?? VÍDEO: Professores municipais de Lauro de Freitas protestam para início das aulas no município

Saiba mais ?? https://t.co/n8ScCcJgDz pic.twitter.com/lMbHBA52bI

— Bahia Notícias (@BahiaNoticias) February 29, 2024

A Secretaria Municipal de Educação (Semed) garantiu que a homologação e convocação dos candidatos aprovados e classificados no último concurso público já foram realizadas. No entanto, os profissionais ainda não foram apresentados, já que o processo tem um prazo de 30 dias.

A secretária da pasta, Vânia Galvão, garantiu que o problema já está em fase de normalização. "Infelizmente, uma parcela desses professores têm que ser apresentados, eles são bi ocupantes. Eles têm vínculo com outra prefeitura ou com o Estado e aí, os horários que eles têm disponíveis não se adequam às nossas necessidades. Essa dificuldade que tem se encontrado. Estamos também chamando professores substitutos, Redas, que estão sendo chamados e encaminhados para todas as escolas", disse.

A representante alegou ainda que a Semed está em contato direto com os professores e profissionais da educação para garantir o funcionamento da rede educacional do município.

Fonte: Bahia Noticias

Comentários

Leia estas Notícias

Acesse sua conta
ou cadastre-se grátis